Renato Rogenski

Como os desafios de 2018 reverberam no mercado publicitário? Qual é o retrato desenhado pelos primeiros meses de 2019? E as perspectivas para o futuro próximo? Especialistas, consultores e economistas são peças importantes para montar esse quebra-cabeça do cenário socioeconômico do segmento. Mas, no final das contas, ninguém tem mais propriedade para responder as questões acima que as cabeças que comandam as principais agências brasileiras. Veja o que os executivos de algumas delas (entre as 20 maiores do país segundo o Kantar Ibope) projetam para os próximos meses:

Eduardo Lorenzi, CEO Publicis Brasil

Crédito: Arthur Nobre

“Estamos trabalhando com a perspectiva de um ano de crescimento da economia. Também acreditamos na continuidade do processo de migração das receitas advindas de compra de mídia para os serviços de transformação digital, que impactam diretamente o business de nossos clientes.”

Marcio Santoro, copresidente e CEO da Africa

Crédito: Celina Filgueiras

“As perspectivas são altas, o mercado está dinâmico e em total transformação. O novo modelo de atuação torna a agência mais apta para acompanhar essa transformação e garante maior efetividade na execução de campanhas, com equipes mais sintonizadas com os respectivos segmentos, atendimentos mais personalizados e um processo de trabalho mais ágil.”

Fernando Musa, chief executive do grupo Ogilvy Brasil

Crédito: Denise Tadei

“De maneira geral, a agenda de crescimento é prioridade em todos os nossos clientes e em todos os segmentos. Independente do cenário político e conservadorismo social, temos de seguir ainda mais fortes na agenda de diversidade e igualdade, buscando ideias que possam transformar negócios e construir marcas.” 

Rodolfo Medina, presidente da Artplan

Crédito: André Valentim

“As transformações já chegaram há muito tempo e temos que estar sempre preparados. Temos buscado, diariamente, a reinvenção. Como consequência disso, novos modelos, produtos e processos estão sendo lançados para atender de forma mais ágil e eficiente nossos clientes.”

Erh Ray, sócio e CEO

Crédito: Denise Tadei

“Começamos o ano ganhando grandes concorrências importantes, o que nos traz um extremo otimismo. Sabemos que ainda será um ano de desafios macroeconômicos e políticos no país, mas acreditamos ter uma estrutura sólida e preparada para termos um crescimento saudável.”

Eduardo Simon, CEO da DPZ&T

Crédito: Arthur Nobre

“Nós tivemos um 1º quarter muito forte. Fomos convidados a participar de cinco processos de concorrência dos quais saímos vencedores em quatro. Isso mostra que o mercado está bastante aquecido e se preparando para um movimento de recuperação da economia que ainda não veio. Mas algumas categorias já estão reagindo, como o segmento de carros e varejo, por exemplo.”

Guilherme Jahara – copresidente da SunsetDDB

Crédito: Arthur Nobre

“A nossa perspectiva é uma das melhores possível. Sentimos um bom aquecimento no mercado desde janeiro, uma inquietação dos empresários e indústria no geral. Além disso, temos clientes cada vez mais dispostos a colocar na rua grandes projetos de comunicação integrada, entendendo toda a jornada das pessoas, que é o nosso maior diferencial e força.”

Marcio Toscani, Co-CEO e COO da Leo Burnett

Crédito: divulgação

“Em 2019 pretendemos que a agência ganhe cada vez mais relevância no business dos nossos clientes. Queremos crescer organicamente junto a eles e com eles. Queremos ampliar também a nossa capacidade em áreas como data, performance e estratégia.”

Aurélio Lopes, CEO da FCB Brasil

Crédito: divulgação

“A agência começou 19 com otimismo pelo novo governo e pelas consequências de viriam a partir dos novos investimentos previstos no Brasil, mas com cautela por não saber o “timing” e o tamanho destes investimentos. A postura da FCB Brasil é ser otimista com cautela.”

Publicidade